quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Queima o álbum de família

Dizem que coisa que não se pode escolher é a família onde se nasce. Portanto, se não pôde fugir àquelas fotos constrangedoras que lhe podem causar embaraço o melhor é lançar na fogueira ou... publicar na Internet.

Uma família da pesada, sem medos, junto um grupo de motoqueiros na qual uma das mulheres bebe como um homem.


Se existe uma forma de uma família dizer que ama aquele elemento querido esta será a melhor maneira.


Se não há dinheiro para fazer aquela incursão em África, a solução é tirar a foto num museu com cheiro a mofo ao lado de animais empalhados.
A criança do lado esquerdo faz a pose de "top model" segurando o cabo do machado. Jovem que revela desde cedo a sua habilidade em segurar em cabos. A mãe, ao centro, com o ar natural de "tira logo a foto porra". O único que parece estar a gostar deste momento é o pai, o provável autor moral da foto.


Os da foto abaixo, já com um orçamento maior lá conseguiram tirar a foto com um animal selvagem vivo mas curiosamente, o único com ar de animado, é mesmo o animal. Será uma foto do animal com humanos ou uma foto de humanos com um animal?


Esta é uma foto completamente cliché, uma família sorridente à beira-mar, vestidos roupões brancos, bla blá blá... Quase que aposto que o de ténis, o único que está calçado, tem micoses e cheira mal dos pés. A primeira do lado esquerdo deve ser a ostracizada da família que fica sempre à parte e no lado oposto a baleia júnior, filha da baleia mor que é mulher do lado direito do chefe de família.


Dúvidas sobre que estas famílias são famílias felizes? Eu não tenho, apesar das fotos serem ridículas representam momentos de felicidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário