segunda-feira, 15 de junho de 2015

O caso do Dr Cancer

A imaginação consegue criar coisas horríveis mas a verdade consegue ainda ser mais assustadora. Conheça o escandaloso caso do Dr Cornelius P. Rhoads que o vai deixar a pensar em quem neste mundo podemos confiar.

Médico causa cancro em pacientes

A história começa em 1931 quando o Dr Cornelius P. Rhoads que na altura trabalhava no Instituto Rockefelle foi convidado para ir participar num estudo clínico em Porto Rico sobre um tipo especial de anemia causada por vermes intestinais (ancilóstomo / lombriga).

O problema começou quando o médico que em vez de procurar tratar os seus pacientes tentava recriar as condições da infecção e não os considerava humanos mas apenas cobaias animais.

O que devia de servir de sinal de alerta foi desconsiderado até que um dia, depois de uma festa, o médico encontrou o seu carro vandalizado e alguns dos objectos levados. Escreveu então a carta que o iria incriminar.

A confissão de Cornelius P. Rhoads
A carta de Cornelius P. Rhoads

A carta dizia algo como o seguinte:

"Eles são sem sombra de dúvida a raça mais suja, mais preguiçosa, mais degenerada e ladra de entre todas que habitam este mundo. Te deixa doente o facto de habitar com eles na mesma ilha. Eles são ainda mais baixos do que os italianos. O que a ilha precisa não é trabalho de saúde pública, mas uma onda gigante ou algo para exterminar totalmente a população. Só então é que ela se tornará habitável. Eu tenho feito o meu melhor para promover o processo de extermínio, matando oito e transplantando cancro em muitos outros. Este último não resultou em quaisquer mortes até agora ... A questão da consideração pelo bem-estar dos pacientes não desempenha nenhum papel aqui - na verdade, todos os médicos se deliciam com os abusos e a tortura destes infelizes."

A carta dirigida a um seu colega em Boston nunca chegou a ser enviada mas foi encontrada nos seus arquivos, quando o médico da morte soube que todos os seus colegas de trabalho no Instituto Rockefelle sabiam o que tinha escrito fez um pedido de desculpas.

Quando a carta se tornou pública, o escândalo foi muito grande, uma investigação foi feita e nunca foi encontrada evidência que a sua confissão fosse verdade. O Dr Rhoads disse que escreveu aquela carta com raiva e que era apenas uma piada.

O Dr Cornelius P. Rhoads trabalhou durante a segunda guerra mundial no desenvolvimento de armas químicas e deu o seu contributo ao aproveitar o gás mostarda para a quimioterapia.

Cornelius P. Rhoads ganhou prémio na investigação contra o cancro

Certo é que a Associação Americana de Investigação do Cancro lhe atribuiu um prémio pelas suas pesquisas e que mais tarde, quando o escândalo rebentou, tentou tirar o prémio. Décadas depois, o assunto voltou à ribalta quando em 2002, a mesma associação voltou ao assunto dizendo que apesar de não existir provas, a que alguns conspiracionistas atribuem a um encobrimento governamental para proteger a imagem pública do país e do Instituo Rockefelle, a atitude racista não é compatível com os valores defendidos pela a associação.

E vocês, acham que o Dr Cornelius P. Rhoads fez uma confissão real dos seus crimes ou foi apenas um acto de fúria e mau gosto? Será que os Estados Unidos encobriram as acções deste médico? Dê a sua opinião comentando abaixo!



Sem comentários:

Enviar um comentário