quarta-feira, 30 de março de 2016

Paradoxo de Fermi - Onde estão os ET's?

Que o Universo é tão grande que existe um infindável número de planetas onde a vida é possível todos já sabem mas como é possível nesta imensidão a Terra ser o único planeta com vida?


Enrico Fermi, nascido na Itália mas que passou grande parte da vida nos EUA dedicou algum do seu tempo a pensar na questão "onde estão os Et's?".

Apesar das teorias da conspiração que circulam por aí dizendo que eles já nos visitaram e que inclusive vivem entre nós, o certo é que nenhuma destas teorias foi comprovada.

Ele desenvolveu o "paradoxo de Fermi" que explica através de um raciocínio simples a razão pela qual ainda não tivemos o contacto com seres de outros planetas.

O tempo

O Universo é bem velho e nós somos relativamente novos nesta história. Para termos uma comparação, os seres humanos modernos existem há cerca de 150 mil anos, o Universo existe há 13 bilhões de anos (mil milhões).

Durante este período de tempo, desde da formação do Universo ao aparecimento do homem moderno, várias civilizações podem ter aparecido e perecido, o que nos leva não só a um sentimento de angústia relativamente ao futuro da vida na Terra, pois inevitavelmente ela terá um fim, mas também a um sentimento de solidão por podermos ser os últimos seres deste Universo. Todas as outras civilizações podem ter desaparecido.



A distância

Vamos pensar naquela célebre metáfora de encontrar uma agulha no palheiro. Agora imaginem que o palheiro é do tamanho do Universo mas a agulha continua no mesmo tamanho.

A imagem abaixo representa a nossa galáxia, a Via Láctea, nos estamos afastados do centro e somos menores do que um grão de poeira em comparação.

Como é que os podemos encontrar? Nem saberíamos por onde começar a procurar. Talvez por estrelas parecidas com a nossa mas isso não significa que por serem semelhantes que elas tenham vida.

Um outro problema é a distância. A nossa galáxia tem um diâmetro de 100 mil anos luz, ou seja 11352960000000 Km e uma área de 5,6 x 1013 Km2, isto é apenas a nossa galáxia. As outras galáxias ficam assustadoramente a distâncias maiores e por isso mesmo que eles saibam da nossa existência talvez nunca possam fazer contacto.



A exclusividade

Por mais vontade ou fé que tenhamos na existência de outros seres, a vida pode ser mesmo a coisa mais preciosa e rara deste Universo. Talvez a Terra seja o único planeta com vida e tudo o resto seja um bonito e imponente desperdício de espaço. Surgimos e desapareceremos sozinhos.

Tecnologia

Só recentemente na história da Humanidade que o homem aprendeu a se comunicar à distância. A invenção do rádio foi feita no final do séc. XIX e a televisão com as suas emissões regulares em 1929.

Neste momento devem estar a chegar a cerca de 100 anos-luz, o que é uma distância pequena, as nossas primeiras emissões de rádio e televisão mas será que os ET's vão saber descodificar as nossas emissões?

Usamos um tipo especifico de tecnologia para comunicar e presumimos que os outros também podem estar a usar o mesmo tipo de tecnologia mas isso não é necessariamente verdade. Et's e humanos podem estar a comunicar e a procurar comunicações usando diferentes sistemas. Quase como se fosse procurar alguém que fale português numa torre de Babel e ignorar por completo as outras formas.

Porém um incidente especial aconteceu durante a viagem à Lua. Quando os astronautas passaram pelo lado oculto da Lua, impossibilitados de comunicar ou receber qualquer informação da Terra, uma estranha interferência soou nos seus comunicadores. Uma "música espacial" que a NASA enterrou nos seus arquivos.

Será esta a prova que procurávamos?


A estranha música da Lua por acontecemcoisas




quarta-feira, 23 de março de 2016

Idoso erra caminho e vai parar numa estrada movimentada

idoso enganou-se no caminho de casa e foi parar numa estrada movimentada com a sua scooter de mobilidade

Um reformado na Inglaterra teve a infelicidade de ir parar numa estrada cuja velocidade máxima de circulação é de 110 Km por hora.

Segundo relata a polícia, o idoso enganou-se no caminho para casa e confuso foi parar na estrada movimentada. Valeu-lhe a intervenção da polícia que o levou para um lugar seguro.

O homem estava confuso e não sabia onde estava. Felizmente acabou tudo bem.


Idoso em contra mão por acontecemcoisas




domingo, 20 de março de 2016

Vídeo da semana: Cão estreaga o momento


O seu melhor amigo nem sempre é a melhor companhia.


Cão estraga momento por acontecemcoisas




quarta-feira, 16 de março de 2016

A música dos suicidas

O suicídio é um infeliz escolha que muitas pessoas tomam e é muito importante perceber os contornos que levam as pessoas a tomar esta decisão.

Por vezes os motivos que levam ao suicídio não são claros e envoltos num enorme mistério. Você sabia que há uma música apelidada de "A Música Húngara do Suicídio"?

A música hungara do suicídio

A música talvez seja a mais deprimente com o sugestivo nome de "Domingo Sombrio" (original húngaro: Szomóru Vasárnap) e conta a história do sofrimento psicológico agonizante de alguém que perdeu o seu amor e se vai matar para se reunir com ele.

Uma das suas primeiras vítimas desta melodia fatal foi um dos seus autores que com medo de nunca mais escrever outra música de sucesso acabou com a sua vida.

A música Domingo Sombrio esteve envolta em mais de 100 suicídios

Em 1936 uma revista listou os estranhos casos que ligam esta música a mortes por suicídio como um homem que foi encontrado com um verso da música perto de si, outras que se afogaram com a partitura ou que deixaram esta vida ouvindo-a. A música chegou a estar banida nos canais ingleses da BBC e em alguns pontos de venda nos EUA.

A música em si não pode ser responsabilizada pelos actos cometidos, a música foi lançada durante a "Grande Depressão", uma crise económica sem precedentes onde muita gente não tinha o que comer. O meio socioeconómico parece ser um dos factores preponderantes no suicídio.

Efeito de Werther explica porque as pessoas tendem a cometer suicídio ao ouvirem e lerem sobre o assunto

O mais provável é que a música cause o "Efeito de Werther", em referência ao romance de Johan Goethe, "Os Sofrimentos do Jovem Werther", no qual a personagem se mata após uma desilusão amorosa. Este fenómeno da psicologia pode ser descrito de forma simplista como um "efeito de imitação" no qual quem sofre decide imitar aquilo que vê ou lê por sentir uma identificação patológica com o ocorrido.

Este romance, assim como a música, foi censurado em vários países europeus após uma vaga de suicídios juvenis. Hoje em dia os meios de comunicação têm uma sensibilidade diferente e gerem as notícias para evitar o efeito de Werther.

Caso esteja a ler isto e precisa de ajuda pode contactar em Portugal a SOS Voz Amiga pelo nº 21 354 45 45 ou no Brasil o Centro de Valorização da Vida pelo nº 141

O que acha disto? Conhecendo o efeito de Werther, acha que os meios de comunicação transmitem correctamente as suas notícias?




domingo, 13 de março de 2016

Vídeo da semana: Vereador, a gente só quer uma explicação!

Para fugir às perguntas de um jornalista, o vereador correu


Quando fugir parece a melhor opção para evitar as perguntas dos jornalistas.



Vereador, a gente só quer uma explicação por acontecemcoisas



quarta-feira, 9 de março de 2016

Inflatofilia - O prazer sexual com balões


Há pessoas que gostam de serem esmagadas 1 ou de ver alguém de muletas 2 por isso não nos podemos surpreender se encontrar-mos alguém que goste de balões.

fetiche por balões

O fetiche por balões é conhecido por inflatofilia e o prazer é obtido por soprar, rebentar ou afagar os balões. Estas pessoas se excitam com a sua forma, com o seu cheiro e com o seu volume.

Estes balões podem ser usados em actos sexuais, mas não exclusivamente com este propósito.

prazer sexual com balões

Estas pessoas se chamam de "Looner" e dividem-se em duas categorias, os "poppers" que rebentam o balão, e os "Non-poppers" que só sentem prazer em mexer no balão sem o rebentar.

O clube de "Looners" mais antigo começou em 1974 quando um americano enviou um anúncio para uma revista erótica perguntando se alguém se excitava com balões tal como ele. Recebeu centenas de cartas e fundou assim o clube "Ballon Buddies" que ainda funciona.

Looners são pessoas com tara sexual por balões


É um pouco difícil para quem não tem este tipo de desejos sexuais de perceber o que vai na cabeça da outra pessoa mas a sexualidade não tem que ser algo regida por um livro de regras e as pessoas devem procurar a sua satisfação nem que seja em balões.


Paixão por balões por acontecemcoisas


O que você acha deste fetiche? Já conhecia o prazer por balões? Qual é o seu fetiche? Comente em baixo!


1) Big Beautiful Woman - http://www.acontecemcoisas.com/2016/02/bbw-o-prazer-obeso.html 
2) Abasiofilia- http://www.acontecemcoisas.com/2016/01/abasiofilia-o-prazer-de-ver-alguem-de.html




domingo, 6 de março de 2016

Vídeo da semana: Caraca to menstruada!


Uma frase transforma um simples acidente numa experiência completamente diferente "Caraca, to menstruada!"


Caraca to menstruada! por acontecemcoisas





quarta-feira, 2 de março de 2016

A mulher que pensa que é um gato

gato preso no corpo de uma mulher

O mundo é um lugar surpreendente, de acordo com uma sondagem, a média mundial de pessoas que acredita que os ET's andam entre nós disfarçados de humanos é de 20% e que no Brasil a média sobe para 25%?

Eles acreditam em algo que para a maioria das pessoas discordaria contudo a sua convicção não é menos válida por parecer bizarra.

Agora se lhe contasse que há uma mulher que acredita que ela nasceu no corpo errado. Não estou a falar de nascer no sexo errado mas sim da espécie errada! O que você pensaria a respeito?

Mulher acredita que é um gato


Nano, uma jovem de 20 anos e que vive na Noruega acredita piamente que ela é uma gata presa num corpo de uma mulher. A sua descoberta foi feita quando tinha 16 anos e desde de então ela se comporta como um felino.

As visão e audição superior, que a própria afirma ter, são os factos que sustentam a sua crença assim como quem a ouve ronronar ou miar fica convencido.

Uma jovem acredita que é um gato, mia, ronrona e vê melhor no escuro


No seu dia-a-dia ela usa orelhas felpudas, luvas fofinhas e uma cauda para tornar mais evidente a espécie à qual pertence. Tem também 4 piercings próximo dos lábios para imitar os bigodes do gato.

Dorme ainda numa pia ou à janela e quando quer sair para a rua raspa a porta com a mão.

No vídeo que foi publicado na Internet e que você pode ver um excerto abaixo ela conta como é ser um gato.


Mulher pensa que é um gato por acontecemcoisas

O psicólogo dela acredita que ela vai ser capaz de superar este distúrbio de identidade e que é apenas uma fase. Veremos se assim é.

O que achou da história? Você é daquelas pessoas que responde à pergunta "se fosse um animal, que animal seria?" com sendo um golfinho ou outro animal? Responda e comente abaixo!