quarta-feira, 30 de março de 2016

Paradoxo de Fermi - Onde estão os ET's?

Que o Universo é tão grande que existe um infindável número de planetas onde a vida é possível todos já sabem mas como é possível nesta imensidão a Terra ser o único planeta com vida?


Enrico Fermi, nascido na Itália mas que passou grande parte da vida nos EUA dedicou algum do seu tempo a pensar na questão "onde estão os Et's?".

Apesar das teorias da conspiração que circulam por aí dizendo que eles já nos visitaram e que inclusive vivem entre nós, o certo é que nenhuma destas teorias foi comprovada.

Ele desenvolveu o "paradoxo de Fermi" que explica através de um raciocínio simples a razão pela qual ainda não tivemos o contacto com seres de outros planetas.

O tempo

O Universo é bem velho e nós somos relativamente novos nesta história. Para termos uma comparação, os seres humanos modernos existem há cerca de 150 mil anos, o Universo existe há 13 bilhões de anos (mil milhões).

Durante este período de tempo, desde da formação do Universo ao aparecimento do homem moderno, várias civilizações podem ter aparecido e perecido, o que nos leva não só a um sentimento de angústia relativamente ao futuro da vida na Terra, pois inevitavelmente ela terá um fim, mas também a um sentimento de solidão por podermos ser os últimos seres deste Universo. Todas as outras civilizações podem ter desaparecido.



A distância

Vamos pensar naquela célebre metáfora de encontrar uma agulha no palheiro. Agora imaginem que o palheiro é do tamanho do Universo mas a agulha continua no mesmo tamanho.

A imagem abaixo representa a nossa galáxia, a Via Láctea, nos estamos afastados do centro e somos menores do que um grão de poeira em comparação.

Como é que os podemos encontrar? Nem saberíamos por onde começar a procurar. Talvez por estrelas parecidas com a nossa mas isso não significa que por serem semelhantes que elas tenham vida.

Um outro problema é a distância. A nossa galáxia tem um diâmetro de 100 mil anos luz, ou seja 11352960000000 Km e uma área de 5,6 x 1013 Km2, isto é apenas a nossa galáxia. As outras galáxias ficam assustadoramente a distâncias maiores e por isso mesmo que eles saibam da nossa existência talvez nunca possam fazer contacto.



A exclusividade

Por mais vontade ou fé que tenhamos na existência de outros seres, a vida pode ser mesmo a coisa mais preciosa e rara deste Universo. Talvez a Terra seja o único planeta com vida e tudo o resto seja um bonito e imponente desperdício de espaço. Surgimos e desapareceremos sozinhos.

Tecnologia

Só recentemente na história da Humanidade que o homem aprendeu a se comunicar à distância. A invenção do rádio foi feita no final do séc. XIX e a televisão com as suas emissões regulares em 1929.

Neste momento devem estar a chegar a cerca de 100 anos-luz, o que é uma distância pequena, as nossas primeiras emissões de rádio e televisão mas será que os ET's vão saber descodificar as nossas emissões?

Usamos um tipo especifico de tecnologia para comunicar e presumimos que os outros também podem estar a usar o mesmo tipo de tecnologia mas isso não é necessariamente verdade. Et's e humanos podem estar a comunicar e a procurar comunicações usando diferentes sistemas. Quase como se fosse procurar alguém que fale português numa torre de Babel e ignorar por completo as outras formas.

Porém um incidente especial aconteceu durante a viagem à Lua. Quando os astronautas passaram pelo lado oculto da Lua, impossibilitados de comunicar ou receber qualquer informação da Terra, uma estranha interferência soou nos seus comunicadores. Uma "música espacial" que a NASA enterrou nos seus arquivos.

Será esta a prova que procurávamos?


A estranha música da Lua por acontecemcoisas




Sem comentários:

Enviar um comentário