quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Geração radioactiva


Para muitos hoje em dia ao pensar em radioactividade tendemos a associar a palavra morte. Não deixa de ter alguma razão, porém os materiais radioactivos tem várias utilidades e são empregados na produção de energia, em medicina ou em detectores de incêndios para dar alguns exemplos mas houve uma geração que levou a radioactividade a um patamar que apenas a ignorância pôde abençoar.



A radioactividade no seu início teve um importantíssimo contributo da cientista francesa Marie Curie, poloca e naturalizada francesa, pela descoberta dos elementos polónio e rádio. Foi a primeira mulher a ganhar um prémio Nobel a única a ganhar dois.


Infelizmente acabou por morrer pelo fruto do seu trabalho. Sem saber os efeitos da radioactividade nunca se protegeu e acabou por desenvolver cancro ósseo. A ignorância neste caso não foi uma bênção, nem para ela nem para uma geração inteira.

tinta radioactiva
Operária pinta relógio com tinta radioactiva

O caso mais dramático e aquele que despertou a sociedade para o temor da radioactividade foi aquele que levou a tribunal as operárias de uma fábrica de mostradores de relógios para o exército norte americano e a empresa para a qual trabalhavam. Estes relógios tinham a particularidade de brilharem no escuro mas para isso usavam uma tinta contendo rádio. Como era necessário que o pincel estivesse sempre afiado elas passavam o dia a molhar a ponta com os lábios e assim ingeriam o material radioactivo presente na tinta.

vítimas da radioactividade
Vítimas da radioactividade

Passado algum tempo, os ossos começaram a apodrecer, isto porque o organismo humano processa o rádio da mesma forma que processa o cálcio. A uma das operárias aconteceu ter ficado sem parte do maxilar durante uma visita ao dentista ficando esta presa na pinça do médico só para terem uma ideia da degradação.



filtro de água
Revigorador radioactivo
tratamento para a impotência
Água para impotência

A utilização do rádio não se ficou apenas para os relógios, foi usado num revigorador, uma espécie de purificador de água, comésticos e roupa interior masculina para ganhar potência (se é que me entendem). A ideia de usar os produtos com radioactividade seria de alguma forma assimilar algumas das suas “propriedades benéficas” que nunca foram objectivamente claras nas campanhas publicitárias.

tratamento para dar energia
Supositório com material radioactivo para dar energia

As curas pelo rádio eram grotescas mas naquela altura parecia tudo bem. Existiam suspensórios (imagem acima) que prometiam revitalizar a sua vida e trazer a sua energia de volta.

produtos contendo material radioactivos
Cosméticos contendo material radioactivo

Já a linha de cosméticos incluía sabonetes, batons, cremes, pasta de dentes entre outros e usaram como material base o tório que pode ser usado como combustível em centrais nucleares.  O problema é que tal como nas operárias da fábrica estas pessoas iriam morrer envenenadas.

A ignorância do público em geral era tal que quando se aperceberam do problema era tarde de mais e o pior é que os malefícios da radioactividade eram conhecidos pela comunidade médica e científica mas o dinheiro falou mais alto.

Da próxima vez que lhe prometerem uma solução universal para todos os seus problemas fique alerta.



1 comentário:

  1. Por essas e outras que sempre fico com um pé atrás ao ver algum novo e milagroso método de qualquer coisa na televisão.

    ResponderEliminar