quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O terror inspirado por Slenderman

Slanderman é uma criatura criada na Internet que apavora o imaginário de muitos, mas esta criatura transpôs a barreira do imaginário e atacou no mundo real.

slenderman inspirou crime


Slendermen é alto, magro, sem rosto e que veste um terno preto. O seu objectivo é raptar pessoas. Além disso consegue apagar as memórias, criar alucinações e causar desespero nas vítimas. Foi criado na Internet em 2009 num forum chamado Something Awful por Victor Surge (ou Eric Knudsen - nome real) e a partir daí ganhou "vida própria" com as histórias criadas por inúmeras pessoas atribuindo novas características ao personagem.

Esta criatura imaginária no fértil pensamento de duas jovens causou uma tragédia. Elas planearam assassinar a sua amiga  Payton Leutner como oferenda. A oferenda serviria para agradar Slenderman e assim poupar as suas famílias da morte.

criança levada para a floresta pelo slenderman
Slenderman é a criatura imaginária que inspirou o crime
Morgan Geyser e Anissa Weier, ambas de 12 anos, atraíram a sua amiga para um bosque próximo. No local, Morgan esfaqueou a Payton 19 vezes.

Durante as investigações, encontraram elementos perturbadores acerca de Morgan Geyser, desenhos do Slenderman com mensagem como "quero morrer", "ele vai-te encontrar", "a dor vem de dentro", bonecas que foram pintadas com símbolos estranhos e ainda um historial de esquizofrenia na família. Mais tarde veio a se constatar que ela está com a doença.

Slenderman queria oferenda
Anissa Weier à esquerda e Morgan Geyser à direita
Sobre Anissa Weier, contrariamente à sua cúmplice que se mostrou fria, ela chorou, mostrou-se emocionalmente instável porém, enquanto que ela descrevia como esfaqueou a amiga, ela revelou um perturbador sinal ao confessar que tudo aquilo foi como "um leão caçando a zebra".

O julgamento ainda decorre, se forem condenadas como adultas poderão ficar presas por 65 anos.

Payton Leutner, a vítima, sobreviveu ao brutal ataque e tenta se recuperar emocionalmente.

Escapou do ataque inspirado no slenderman
Payton Leutner sobreviveu ao ataque das suas amigas


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Descubra a amusia

O que tem em comum, o 18º presidente dos Estados Unidos com Che Guevara? Ambos não apreciavam música. Alguém que não gosta de música ou é incapaz de distinguir trechos musicas pode parecer desinteressante, mas só à primeira vista.



Amusia é uma condição peculiar que leva a que pessoas não reconheçam diferenças de tons e tenham a incapacidade no processamento musical. Para elas música não soa da mesma forma que para os outros.

Crianças mesmo antes de um ano de idade já conseguem percepcionar a música com grande detalhe de forma em muito similar aos dos adultos, parece que os seres humanos têm a capacidade inata de processar a música.

Amusia e a música
A amusia afecta a capcidade musical

A música parece ter um efeito gigantesco nas nossas vidas, apreciamos ouvi-la, ela influencia as nossas emoções e até as nossas decisões. Pessoas com amusia não tem a mesma capacidade que os restantes.

Esta condição pode ser resultante de uma condição congénita ou adquirida e não afeta outras funções cognitivas como o discurso ou percepção espacial, por exemplo.

A amusia foi identificada em dois períodos distintos, em 1825, quando F. Gall identificou um “órgão musical” numa região do cérebro que pode ser danificado em caso de doença ou acidente e 40 anos depois, Jean-Baptiste Bouillaud descreveu uma série de casos que envolveram a perda de capacidades músicas.

Se quer fazer um teste para ver se sofre de amusia visite este site » http://www.psy.mq.edu.au/me2/index.php/tests/



Descubra a amusia por acontecemcoisas




quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Prosopagnosia - A cegueira para rostos

Uma estranha condição atinge cerca de 2% da população, com um nome complicado. Prosopagnosia é a incapacidade de reconhecer rostos.

Cegueira para rostos


Pode parecer algo banal, a incapacidade de ver um rosto e não reconhecer de onde ele é. Certamente já aconteceu consigo. Encontrar um velho amigo e não o reconhecer, porém, a sua falha de memória não é nada comparado com a prosopagnosia.

Imagine que está num bar, se olha no espelho e não sabe que a imagem reflectida é a sua. Olhar para a sua mãe e não saber que é ela. A vida de Evie Prichard é assim.

Evie tem este problema desde nascença e a certa altura da sua vida, quando tinha 19 anos, ela passou por um constrangimento hilariante, numa festa aproximou-se de uma pessoa que pensava ser um amigo do seu ex- namorado mas na realidade era o seu próprio ex. Talvez este insólito tenha sido uma facada no ego inflado do seu antigo namorado.

 Evie Prichard sofre de cegueira para rostos

A prosopagnosia resulta de uma condição congénita, a pessoa nasce com este problema, ou então pode ser resultado de uma lesão no cérebro. Actualmente não existe tratamento nem treinamento que possam minorar os seus efeitos

As pessoas que têm este problema referem que ele é como um sonho, na altura é vivenciado intensamente mas depois se desvanece e a pessoa acaba por esquecer. Usam então outras formas de identificar as pessoas como os maneirismos, postura, corte de cabelo, perfume, tom de voz ou roupa por exemplo.

Este é um transtorno que originar a situações perigosas, beijar um desconhecido, ser assaltado e não reconhecer o ladrão, alguém se fazer passar por parentes.

Para Evie, o problema se manterá  mas isso não a impede de ter uma vida relativamente normal. Apesar desta incapacidade ela mantém o optimismo e espera ajudar outros com a mesma condição a enfrentar as adversidades.